Arquivo da categoria: Opinião

‘VINGADORES 3, ‘PANTERA NEGRA’ E ‘THOR: RAGNAROK’ FIZERAM MARVEL SAIR SOBERANA NA #SDCC 2017

Marvel lançou várias pistas de como serão seus futuros filmes, público ficou em êxtase com trailer exclusivo de ‘Vingadores 3’.

POR AILTON RODRIGUES
NATAL/RN

Mesmo concordando com meu amigo Iaslan Nascimento quando ele disse que a DC Comics apresentou muita coisa legal nessa San Diego Comic Com 2017, achei injusto não darmos ênfase ao painel da Marvel que por coincidência (ou não) foi no mesmo dia do da DC… Só posso dizer que a Marvel saiu soberana!

avengers
Poster de Vingadores 3.

Primeiro devemos começar falando do trailer ainda não veiculado de ‘Vingadores: Guerra Infinita’ que deixou os fãs alucinados, desde o ano passado que os produtores prometem mais de 60 heróis juntos para enfrentar o terrível Thanos e sua manopla (que aparece com apenas 3 joias do infinito). Sem dúvida será o filme mais esperado de 2018.

7-capita-marvel
Capitã Marvel (Brie Larson) será o primeiro na linha cronológica da Marvel.

Além disso, a empresa anunciou que o filme da Capitã Marvel, que também é extremamente importante em Guerra Infinita nos quadrinhos, se passará na década de 1990, ou seja, será o primeiro filme da linha cronológica dos heróis, antecedendo o Homem de Ferro 1. Agora ainda não sabemos como vão encaixá-la em Guerra Infinita parte 2.

Comic-Con International 2016 - Marvel Studios Presentation
Elenco de Pantera Negra.

Outra grande atração foi ‘Pantera Negra’ que teve um novo trailer completo, também exclusivo para quem foi a SDCC, apresentando oficialmente o Garra Sônica e os outros personagens que trazem Lupita Nyongo’o, Michael B. Jordan e grande elenco. O detalhe é que o trailer foi APLAUDIDO DE PÉ! Promete ser fantástico visualmente e na ação. Chega logo fevereiro!!!

rs_691x1024-170722191817-634-thor-ragnarok-poster-kg-072217
Novo cartaz de ‘Thor: Ragnarok’

Para fechar os grandes momentos da Marvel na SDCC falta falar de ‘Thor: Ragnarok’ que lançou um trailer altamente formidável com muitas nuances de humor e várias pontas que irão desembocar em Guerra Infinita. Foi visto por lá um Hulk que pensa (e fala), uma Cate Blanchet que promete ser divina como vilã (Hela) e uma sequência de diálogos bem legais entre Hulk e Thor… Ah e a confirmação de que os autores buscaram ser bem fieis aos quadrinhos em alguns aspectos. Veja o trailer abaixo:

Foram apresentados também o filme ‘Homem Formiga 2’ e a série ‘Os Defensores’… Haja papo para termos aqui no Contador de Causos! #Ansioso.

Nós estaremos de olho. Até qualquer hora!

UM POUCO DA DC COMICS NA SAN DIEGO COMIC CON 2017

POR IASLAN NASCIMENTO

A San Diego Comic-Con (SDCC) ocorreu no período de  20 a 23 de julho de 2017 e trouxe para todos nós muitas novidades sobre filmes, séries e artigos colecionáveis. Mas nesse texto quero me prender DC e seu universo cinematográfico.

 

Capa8_BxsgHoS
Poster da Liga da Justiça divulgado na SDCC 

Quero começar falando do trailer da liga da justiça. E que trailer hein, que trailer, tem bat sinal, comissário Gordon, faz menção ao lanterna verde, mesmo ele não estando confirmado no filme. Gostei muito do trailer, aumentando mais ainda a expectativa para ver esse filme. Só pela duração do trailer com mais de 3 minutos, já podemos esperar que o filme terá mais de 2 horas. Ah e não podemos esquecer do vilão bem presente no trailer o lobo da estepe com ótimas cenas de ação, mostrando que será um adversário complicado para a Liga.

content_pic
Lobo da Estepe nos quadrinhos

 

A DC quer construir seu universo cinematográfico compartilhado, assim como a Marvel no cinema e a própria DC nos seriados de TV, inclusive esse ano as séries da DC fizeram um grande crossover (quando duas ou mais séries fazem um episódio juntos) composto pelos seriados The Flash, Arrow, Supergirl e Legends of Tomorrow, e esse evento foi fantástico tendo um episódio em cada seriado.

cx4-fymxgaadpb3
Da esqueda para a direita: Supergirl, The Flash, Arrow, Legends of Tomorrow
DCCrossover
Cena com todos os personagens reunidos.

No cinema a DC começou seu universo com Homem de Aço (2013) , filme do Superman, seguido do Batman vs Superman (2016), Esquadrão Suicida (2016) e Mulher Maravilha (2017).  Antes da SDCC já estavam confirmados os longas da Liga da Justiça (novembro de 2017), Aquaman (dezembro de 2018) e o filme do Batman que passou por diversos problemas, gerando um atraso nas gravações, mas uma das grandes perguntas era se o Ben Affleck ia continuar no papel do herói, e ele confirmou que continuaria.

Além disso foram confirmados mais alguns filmes da DC nessa SDCC, porém não sabemos as datas. Um dos filmes confirmados foi Green Lantern Coops (O novo filme do lanterna verde), que já tinha sido confirmado no ano passado na mesma SDCC porém o projeto não teve progresso. Outros filmes confirmados foram: Mulher Maravilha 2, Esquadrão Suicida 2, Shazam, Batgirl, Liga da Justiça Sombria e o que mais me surpreendeu foi Flash: flashpoint (ponto de ignição) que é uma saga em que o Flash volta ao passado, causando uma série de mudanças na linha do tempo, inclusive fazendo com que todo o universo da DC nos quadrinhos tivesse um Reboot (uma reinicialização de uma saga e/ou universo contando toda a história do início, os reboots são muito comuns no mundo dos quadrinhos).

O flashpoint também aconteceu nas TV´s na 3ª temporada (2017) de The Flash, mas não foi tão marcante como poderia ser. Expectativas a mil para esse filme do Flash e para saber como isso vai impactar no universo da DC comics no cinema. Então é isso, um pouco do que a DC mostrou na SDCC, espero que tenham gostado e que estejam ansiosos como eu. Valeu pessoal até a próxima!!

O CONTADOR VIU: HOMEM ARANHA DE VOLTA AO LAR (SEM SPOILER)

POR IASLAN NASCIMENTO

Olá amigos, tudo bem com vocês? Vem ver o que achamos do filme do amigo da vizinhança, sem spoiler (claro).

‘Homem Aranha de volta ao lar’ chegou e com ele vimos o melhor do Homem Aranha no cinema, nada contra o Homem Aranha do Tobey Maguire (o primeiro Homem Aranha das telonas) ou até mesmo do Andrew Garfield, mas o Tom Holland é tudo aquilo que o Homem Aranha é nas HQ’s (Revistas em quadrinhos) um Nerd com superpoderes que tem que se dividir entre ser um bom aluno pelo turno da manhã e salvar a vizinhança a noite.

Esse filme é o que melhor que faz essa junção entre a vida pessoal do Peter Parker com o Homem Aranha, o tempo de tela tanto pro Peter quanto para o Homem Aranha é perfeito. Esse filme na minha opinião, tem muitos acertos em relação aos antigos, tem um bom tempo para as piadas sem elas serem chatas ou mal colocadas no roteiro. Os personagens secundários são muito bem aproveitados, aposto que todos vão gostar do Ned melhor amigo do Peter na escola, eu acho que ele é um dos melhores personagens do filme.

Spider-Man-Homecoming-Peter-and-Ned
Ned ao lado de Peter Paker

Um ponto que esse filme acertou em cheio foi o vilão, todos nós sabemos que a Marvel e a Sony tem problemas quando o assunto é vilões, eles não conseguem de jeito nenhum nos entregar um vilão muito bom eles são sempre razoáveis e esquecíveis mas dessa vez eles fizeram um bom vilão, entendemos sua motivação, não tem um grande trauma fazendo com que ele aja daquela forma, é só um vilão sem poderes com uma motivação humana nada de querer dominar o mundo, nada de sobrenatural, com certeza é um dos melhores vilões feitos pela Marvel.

Outro ponto positivo é a trilha sonora, a Marvel a um tempo vem mostrando que sabe fazer boas trilhas sonoras e melhor ainda sabe utilizar as músicas da cultura pop de forma perfeita em seus filmes, vide Guardiões da Galáxia. Mas fiquem atentos, a parte do logo da Marvel pois temos uma grata surpresa vocês querem saber o que é? Só se forem ver o filme rsrs.

O filme é bom, repleto de  referências aos quadrinhos, aos outros filmes da franquia e a própria cultura pop . Recomendo muito! Há antes que eu me esqueça, fiquem até o final dos créditos pois esse filme tem DUAS cenas pós-créditos. Até mais meus amigos!!

spider-man-homecoming-poster.jpg

 

O BULLYNG NU E CRU NA SÉRIE OS 13 PORQUÊS

Bullyng, assédio, solidão, estupro, suicídio são temáticas retratadas na série produzida pela Netflix para mostrar um pouco do mundo dos adolescentes.

Por Auxiliadora Ribeiro e Leidiane Barboza – São Miguel do Gostoso/RN      

Com os amigos passamos alguns dos melhores momentos da nossa vida, ou melhor, muitos momentos. A série Os 13 porquês (13 Reasons Why) entrou em nossas vidas numa tarde comum. Duas amigas, domingo, nada para fazer, a praia não era uma opção. Leidiane Barboza – a jovem das séries – resolveu então assistir, e eu, que também estou aprendendo a ser uma amante do cinema resolvi entrar no jogo. E assim começamos a ver juntas uma série, que não é qualquer série. Os 13 porquês vêm dando o que falar, e não é exagero, pois suas temáticas pesadas dá margem para várias discussões.

p13762579_b_v8_aaBaseada no best-seller de Jay Asher, a série original Netflix 13 Reasons Why tem com principal tema  o BULLYNG, relatado através da história de Hannah Baker. O Bullying é a prática de atos violentos, intencionais e repetidos, contra uma pessoa indefesa, que podem causar danos físicos e psicológicos às vítimas.

O termo surgiu a partir do inglês bully​, palavra que significa tirano, brigão ou valentão, na tradução para o português. No Brasil, o bullying é traduzido como o ato de bulirtocarbatersocarzombar, tripudiar, ridicularizar, colocar apelidos humilhantes e etc. Essas são as práticas mais comuns do ato de praticar bullying. A violência é praticada por um ou mais indivíduos, com o objetivo de intimidar, humilhar ou agredir fisicamente a vítima.

Hannah é uma adolescente que começa sua trágica trajetória de sucessivas agressões no ambiente escolar, ao ter uma foto embaraçosa divulgada em meio virtual. Desde então, passou a ser julgada como a vadia, a fácil, abrindo espaço para o assédio, e fazendo da sua vida uma imensa solidão, por meio do afastamento dos “amigos”, da falta de atenção dos gestores da escola e até dos seus pais por não compreenderem seus sinais. O mais impressionante dessa série é que os produtores não tiveram medo de relatar a gravidade do problema de uma forma tão chocante. Eles não suavizaram. Mostraram o bullyng nu e cru.

20170316203357621451a

O bullyng virtual pelo qual essa adolescente passou é muito sério, uma vez que esse tipo de bullyng não se restringe apenas a um ambiente. Ele não tem fim. Você é atacado por várias pessoas que muitas vezes não é possível identificar pois ocorre em meios eletrônicos, com  mensagens difamatórias ou ameaçadoras circulando por e-mails, sites, blogs (os diários virtuais), redes sociais e celulares.

Cansada de tudo, Hannah resolve tirar sua própria vida. Contudo, para a surpresa de todos ela deixou gravado os motivos dessa decisão. 7 fitas, contando os 13 porquês que a fizeram desistir da vida. A história é contada em dois tempos (futuro e passado) e acompanha a trajetória de Clay Jensen – colega de classe e de trabalho e paixão secreta – de Hannah Baker.

A série gerou e vem gerando bastante repercussão, dividindo opiniões e com interpretações, de certa forma equivocadas, pois a mensagem que a obra quer transmitir, não é de que problemas serão solucionados com o suicídio, mas sim, mostrar as consequências de atos inconsequentes de desrespeito, preconceito, julgamentos para com o outro, e através disso, alertar as pessoas, seja adolescentes, jovens, adultos para a gravidade do problema.  Não é só isso. A mensagem também é de que a vida continua, e que existem outras maneiras de se enfrentar os problemas. O personagem Clay diz ao final do último episódio que de alguma forma precisamos mudar o jeito como tratamos as pessoas.

A série é super bem produzida, comovente, e instigante. Vale a pena assistir. E o melhor de tudo é que não é  uma série destinada apenas a um público, ou ao mero entretenimento, mas uma série para a vida.

E uma dica: ao final da série há um documentário (13 Reasons Why: Tentando entender os porquês) com elenco, equipe de produção, e profissionais da área da saúde discutindo as cenas que abordam questões difíceis como bullyng, depressão e abuso sexual.

Fontes utilizadas:

https://novaescola.org.br/conteudo/1424/20-o-que-e-bullying-virtual-ou-cyberbullying

https://www.significados.com.br/bullying/

http://www.diariodepernambuco.com.br/app/noticia/viver/2017/03/16/internas_viver,694416/conheca-os-13-porques-nova-serie-da-netflix.shtml

https://filmow.com/os-13-porques-1a-temporada-t195139/

O CONTADOR LEU: O DIARIO DE ANNE FRANK de Mirella Spinelli

por AIRIS VITAL

Desde de moleca ouvia através de algumas fontes históricas educacionais, sobre duas personalidades femininas infanto-juvenis que me encantava, Malala e Anne Frank. Para mim são as meninas mais inspiradoras, pois buscava ser a diferença que precisava no mundo delas. Hoje vou falar minhas emoções sobre Anne.

Confesso que sou um tipo de ‘serzinho’ que não cresceu na cultura de comprar livro, mais que ama tê-los por perto, (risos). Então depois de saber que Anne tinha escrito um diário, passei a procurar em cada biblioteca, varria cada estante e a única em que encontrei, não pode levar para casa. Me contentei, apenas com o filme, de Alberto Negrin, mas para uma amante da leitura, nada a emociona mais do que lê as anotações de quem você admira.

O fato é, que fui surpreendida por Iaslan Nascimento, quando trouxe até mim a história dela em um livro em quadrinhos. Como eu não tinha pensado antes?! Certo que é uma história muito pesada, mais posso conta-la de uma maneira mais acessível, e como diz o portador do Museu Anne Frank “nem todo mundo vai ler o diário. Um formato não exclui o outro”.

Nossa que garota cheia de autonomia com apenas 13 anos de idade, tão admiradora dos livros, observadora, proativa, corajosa, apaixonada pela vida, e preocupada em anotar uma série de fatos que tenha importância para os leitores. Uma das coisas mais surpreendentes é como ela transforma seu diário em uma amiga, nomeando-o de Kitty. Isso demostra o quanto era dotada de criatividade, imagino a grande escritora que ela seria se não tivesse morrido aos 15 anos de idade, mesmo com pouco conhecimento já possuía uma base única de conhecimento.

anne_mirella4-747x1024

Ressaltando em suas anotações sobre conquistas, amizades, sonhos, desafios familiares, ciúme, medo e tantos outras questões que nos afligem ao longo do nosso desenvolvimento humano. Que muitas vezes nem somos capazes de externar, ela transmitir com tanta facilidade que acaba sendo inspirador você manter sua personalidade, nem que seja no papel para que não se perca ao longo dos anos e alguém ao encontrar, não venha se sentir sozinho por reprimir determinado comportamento incomum no meio social. Isso é o que senti ao lê suas impressões sobre sua realidade.

Esta HQ sem dúvida é um livro que estimula o conhecimento dessa surpreendente judia e o seu relato simbólico durante a perseguição que os nazistas causaram na Segunda Guerra Mundial e sua barbárie no campo de concentração. Ao refletir sobre o vi (filme) e li (HQ) tive uma perspectiva de fatores secundários, focados em análises “bem-humoradas e inteligentes”, durante a luta da sobrevivência diária de sua família e amigos.

Inclusive para quem gosta de leituras rápidas, leve, de traços que emerge a uma dualidade entre a época e a atualidade, ele  transmiti a peculiaridade em seu texto que apresenta a complexidade da guerra, mas também da natureza humana que ‘amadurece’ em meio a anseios e conflitos sociais. Mantendo a confiança na humanidade, mesmo quando se vive em um ambiente de terrorismo e medo, mantem-se uma esperança no sublime.

O contador, Indica! 😉

Livro: O DIÁRIO DE ANNE FRANK em quadrinho Texto Original: Het Achterhuis Dagboekbrieven 12 Juni 1942 – 1 Augustus 1944.  Editora: nemo. Ano de Publicação: 2017 Edição: 1ª Edição ISBN: 978-85-8286-336-7 Páginas: 96.

 

O CONTADOR LEU: SPECTRUS – Paralisia do Sono, de Thiago Spyked

por AIRIS VITAL

Fazia muito tempo que não ouvia sobre o tema ‘paralisia do sono’, tinha esquecido que existia. Depois de lê essa HQ eu fui pesquisar mais sobre o assunto, e as pesquisas mostram que 2 milhões de pessoas são afetadas por ano no Brasil, ou seja muitas pessoas lidam com a incapacidade temporária de se mover ou falar ao adormecer ou ao acordar.

O autor desta obra é Thiago Spyked que possui um canal no youtube, com mais de 135 mil inscritos, com várias conteúdos para quem quer ser desenhista, dicas e práticas de desenho, assim como outros temas voltados para essa área. Ele narra a experiência da jovem Lila de 19 anos que teve sua consciência, fragmentada em três partes e para isso ela deve buscar nos reinos: labirinto da razão, poço da insanidade, e a montanha da criatividade.

Ela é o tipo de personagem que eu facilmente me identifico, ou seja me senti mesmo na história. Com aparência delicada, demonstra muita coragem e personalidade, mesmo com medo do ambiente que se encontra, vê seu corpo em imóvel sobre a cama, toma a iniciativa de pegar de volta o que lhe pertence por direito, antes de voltar para seu corpo. E corajosamente diz:

“Posso está dormindo, mas isso não é um sonho”

Ao longo da sua jornada no universo desconhecido ela encontra dois ajudantes que logo, se tornam seus amigos. O Alpha (o invisível) é uma entidade da sombra, que possui a missão de orientar os humanos a sair da dimensão, já o Cabeça de Pano (o aliado misterioso) ele é um gênio absoluto das questões lógicas, e a ajuda dele foi indispensável.

Uma das frase que gerou mais questionamento para mim foi do senhor Gloor rei da criatividade:

IMG_20170419_072646898

[Chegada no reino da criatividade]

Sem dúvida é uma leitura para todas as idades, alertando sobre a capacidade que possuímos interiormente, mais cogitamos em usar. Sobre aprimorar nosso autoconhecimento, consciência crítica, entender nossos limites e fraquezas, assim como o poder da criatividade para buscar ferramentas para solucionar nossos problemas sem d.e.s.i.s.t.i.r. Além do destaque para confiança e amizade, torna-se papel de destaque em todo o enredo.

É uma leitura tão envolvente que ao término, você sente a necessidade do Thiago ter desenvolvido mais o ambiente dos desafios, pois quando você pensa que terá que folhear umas duas páginas para compreender o mistério, no diálogo seguinte -mais ou menos- você obtém a resposta que desejava.

Mais a compensação vem no extra da HQ. Ele conta detalhes sobre cada personagem e ambiente, deixando o leitor íntimo da sua obra e um desejo de “ debater com o autor sobre Spectrus”. Por fim é uma sugestão que você tirará fragmentos das lições para aplicar em sua vida.

Para saber mais sobre o trabalho de Spyked, acesse: https://www.youtube.com/user/CrasConversaOficial/featured

O contador INdica!

Título: Spectrus – Paralisia do Sono, Autor: Thiago Spyked, Editora:  Crás Editora, Edição: 1ª, ISBN: 978-85-68248-03-4, Especificações: 144 páginas.

O QUE OS “ESPECIALISTAS” DIZEM

POR FÁBIO CHAP

digitalizar0003

Bora falar um pouco de realidade? Pois vamos lá.

Os ‘especialistas’ dirão que essa greve é errada, ‘coisa de gente que não entende nada’, coisa de ‘massa de manobra’. Que ‘o Brasil precisa dessas reformas ou vai quebrar’.

“Se não mexermos na aposentadoria agora, depois não reclamem quando o corte vier na saúde e na educação” é a frase clichê deles.

Perceba que eles não conseguem pensar nenhuma possibilidade pra além de descer o cacete no ombro do trabalhador. A mente deles – os especialistas – não é tão criativa assim, afinal, é o tipo de gente que, em sua maioria, nunca precisou se virar muito na vida, se reinventar pra continuar a sobreviver.

– Cobrarem as dívidas dos bancos e das megaempresas? Té parece, né?- Aumentar IPTU em bairro de elite? Nunca.

– Criar IPVA pra jatinho, helicóptero e iate? Acorda, mané.

– Fazer auditoria da dívida pública pra ver se tem ricasso ganhando mais do que devia? – Nem sonha com isso.

– Extinguir pensão de filha de militar? – Não, senhor.

– Diminuir benefícios de juiz, procurador e desembargador aposentado? – Não brinca com isso.

É melhor deixar essa gente em paz, entende?

Sempre que leio/ouço/assisto especialistas dizendo que ou se aprovam essas reformas ou o país quebra, eu penso:

– Será que esse cara já trabalhou, 6 meses que seja, empilhando tijolo?

– Será que essa mulher, quando tava grávida, trabalhou 1 semana que seja, num ambiente tóxico, sujo e perigoso?

– Será que esse senhor especialista já teve meia hora de almoço após trabalhar 4 horas seguidas de pé montando carros num chão de fábrica?

– Será que esse economista – que fala tão bem – já entregou panfleto no farol por um diazinho que seja?

É claro que não. Essa gente não passou nem meia semana num trabalho duro de verdade, que dirá 20/30/40 anos.

E esse é o mesmo tipo de gente que fala que ou o país aprova essas reformas, ou quebra. Simplesmente não conseguem perceber que, na vida real o que quebra mesmo é a coluna do peão, é a mão da costureira, é a perna do lixeiro, é o pulmão do pedreiro.

Especialista costuma ser aquele tipo de pessoa que liga pro seguro trocar o pneu do carro que é pra não ter que botar a mão no macaco e numas gotinhas de graxa e óleo. Essa é a gente que é incapaz de passar uma bucha na própria privada, de retirar os papel sujo com a própria merda do cesto de lixo. Pra resolver isso, constroem um quartinho nos fundos e dão o celular usado pra empregada.

Como levá-los a sério quando são eles que querem dizer o que o trabalhador aguenta ou não por 20/30/40 anos?

E essa não é necessariamente uma crítica às pessoas que nunca fizeram trabalho braçal. Tem muita gente que nunca teve trabalho do tipo e consegue se solidarizar com quem o faz. Consegue respeitar a tristeza e a revolta de quem tem pouco e vai ter menos ainda. Esse texto é um desabafo, uma crítica à uma elite sabida de tudo, mas, no fundo no fundo, o que eles sabem mesmo é fazer de tudo pra que, no fim, eles não percam nada. E a gente, que trabalha e rala, que se foda.

517 anos se passaram e a gente segue no mesmo sufoco enquanto eles brindam à vida deles e decidem a nossa.

**