Arquivo da categoria: Contos

NÃO É INVERSÃO, É AMPLIAÇÃO DE VALORES

POR FÁBIO CHAP

ladrao-tatuado

Quando a vida de alguém que cometeu um crime é tida como uma vida importante e dizemos que, mesmo esse criminoso não pode ser torturado, assassinado, isso não chama inversão de valores. O nome correto é AMPLIAÇÃO de valores.

Tem que ser bem cínico pra acreditar que quando defendemos a vida de um (criminoso), estamos ignorando a vida de outro (inocente). Eu poderia te linkar mil notícias em que pessoas não criminosas foram ajudadas pela sociedade das mais diversas formas possíveis; com vaquinhas, com revolta nas redes sociais, etc, etc, mas certamente vc não enxergaria. Você não quer enxergar. Só quer espumar contra quem decidiu amar a humanidade um pouco mais que você.

Sabe quem, 2000 anos atrás, foi crucificado por pensar além do “cidadão de bem”? Dica: começa com J e você vai todo domingo na igreja fingir que ouve algo do que ele falou e dos valores que ele deixou.

Portanto, inversão de valores é o que você faz com as palavras d’Ele. O que gente faz é só dar continuidade ao que ele fez: Ampliar valores. Defender a vida. Amar a humanidade.

Se não estivesse cego pela raiva, você nos entenderia.

**

RACISMO É O NOME DO ‘FENÔMENO’

POR FÁBIO CHAP

Às vezes estou no bar com amigos e naturalmente surgem muitos temas espinhosos nos papos. Quando o assunto passa a ser racismo, alguns dizem que o movimento negro do Brasil é exagerado; que racismo de verdade é lá nos EUA e não aqui no país.
Na hora eu já proponho um exercício: 

– Oh, conta quantos negros estão servindo a gente e quantos estão bebendo e se divertindo com a gente. Depois conta quantos brancos estão servindo a gente e quantos estão bebendo e se divertindo com a gente.

É incrível como o efeito é imediato:

– Pô, foda, né? Verdade… tem alguma coisa errada, mano.

– Se tem, meu brother. Ô se tem.

O Brasil não tem sua ‘Ku Kux Klan’, mas tem um sistema em que, mesmo 1 século e meio depois da abolição, se vê claramente que na maioria das vezes o negro serve e raríssimas vezes é servido.

Racismo é o nome do ‘fenômeno’.

**

DEIXA EU TE CONTAR UMA COISA: EU GOSTO DE VOCÊ

POR FÁBIO CHAP

Deixa eu te contar uma coisa: eu gosto de você. E gosto de um jeito novo, sabe? Na minha vida, tudo antes era complicado. Sabe quando parece que é tormenta após tormenta? Assim eu definiria todos relacionamentos pelos quais passei.

Eu não sei explicar bem, mas eu olho pra você e vejo tudo simples. Parece que tudo tem jeito e o que não tiver, não tem problema. Parece que até seu tempo ruim é, no máximo, uma garoa pra refrescar.

E tô te contando porque isso tava preso há um certo tempo. Não muito. Não dez anos. Mas faz algum tempo. De certo você identificou meu olhar em algum momento, se não, peço perdão por não ter sido direto. Sou discreto no amor. Sabe quando a pessoa cansou de se machucar e prefere analisar a coisa toda? Fiz isso com você e o resultado foi um só: paixão.

Não vou falar que estou louco, jogado aos pés; como fez Cazuza. Seria exagero. Eu ainda sequer sei o gosto do seu beijo. Mas, puta que o pariu, haja desejo. Dizem que vontade dá e passa, mas ô passagem demorada essa.

Acho que você faz curso de hipnose, porque, sinceramente, acho que gosto de tudo em você. Do seu cabelo ao seu cheiro. Da sua mão pequenininha e da sainha que você escolhe pras noites de verão. Gosto do seu tom de voz e do que você diz. Faz tanto sentido defender quem tá oprimido pelos podres da vida.

Na boa, você é linda e não tô falando só de estética, da sua cintura ou da sua boca. Falo de você toda. Do que pensa e como age. Do que faz na frente e atrás da cortina. Não tem falsidade, não tem algo dito pela metade. A firmeza e o pulso, o olhar, o caminhar, a alma. A calma com que lida com a vida.

Por falar em vida, vem pra minha. Agora cê já sabe o que sinto. É um sentimento tão do bem e, na boa, eu precisava. Eu merecia você surgir um dia.

A real é que eu andava cansado de tempestades, agora me vejo aqui querendo tomar banho de chuva, de paz. Dessas pra lavar a alma.

Vem se molhar comigo. O único perigo é chover vontade demais e a gente não querer sair desse banho nunca mais.

**

QUEREMOS MUITO E MUITO MAIS

POR FÁBIO CHAP

pag16e17_homemolhaespelho

Queremos ser fortes demais. Magros demais. Cultos e inteligentes demais. Justos demais. Bonitos demais. Sensatos demais. Humildes demais. Ricos demais. Sexy demais. Poderosos demais. Articulados demais. Conectados demais. Fumadores de maconha demais. Bebedores de cerveja artesanal demais. Revolucionários demais. Libertários demais. Transadores demais. Legais demais. Queremos muito e muito mais.

E de mais em mais o mundo vai entrando num buraco MAIS fundo. MAIS escuro. Mais lotado. Mais surtado.

O excesso é a nossa tortura. É a gordura que nos enfarta.

Tô na onda do –

**

O MUNDO DEVE ESTAR MUITO CHATO

POR FÁBIO CHAP

bullying

O mundo deve estar muito chato mesmo pra quem podia zoar a gorda da escola e ela não reagia, não dava nada.

O mundo deve estar muito chato mesmo pra quem podia zoar o cabelo da menina só porque não foi com a cara dela, ela não respondia e não dava nada.

O mundo deve estar muito chato mesmo pra quem botava apelido nos lábios do aluno mais negro da sala, ele ficava quieto e não dava nada.

O mundo deve estar muito chato pra quem podia descontar toda agressividade naqueles poucos gays da escola, eles sentiam medo e não dava nada.

O mundo deve estar muito, mas muito chato pra quem cresceu acostumado a diminuir o outro. Pra quem cresceu com a ideia de que se algo era engraçado pra maioria, então seria pra todos.

Que chatice deve ser o presente das pessoas que no passado tinham passe-livre pra cometer o nível de bullying que quisessem. Porque toda essa gente que não tinha problemas – ao agir desse modo – agora passa a ter problemas. Agora essa gente é chamada a atenção em público, no privado, onde manifestar esses velhos hábitos irá ser chamada a atenção.

E eu entendo; ser chamado a atenção é uma merda. Ter problemas é algo muito chato mesmo.

A coisa vai além. Quando todos os que ganham e ganhavam apelidos se juntam, eles percebem as sutilezas do preconceito. Veem preconceito em muita, muita coisa, sim. E não engolem mais sapo do que já engoliram.

Aí fica a pergunta: o politicamente correto que te persegue ou seus velhos hábitos que não te largam nem por decreto?

Uns dizem que pra essa geração tem faltado senso de humor. Eu digo que o que falta a quem diz isso é senso de amor.

**

COISA DE GENTE IDIOTA: EU E VOCÊ

POR FÁBIO CHAP

tumblr_nhw789nwr41sipkmso1_500

Um monte de gente não gosta de um monte de gente. Por que não gostam? Porque não gostam do diferente. Mas também têm aquelas pessoas que só meio que não se gostam. Não é tipo esses ódios pelo chefe, pela ex, pelo cunhado abusado. Falo dessas raivinhas de internet. De gente que não se gosta porque o outro escreveu algo que você discorda. Ou discorda da sua amiga. Não falo aqui de gente que explicita machismo, racismo, nem nada assim. Porque aí ninguém tem que gostar mesmo. Falo de gente que não gosta de você porque você posta foto de pudim. Porque você tira foto com decote e saia jeans. De gente que não vai com a sua cara porque você usa gírias do Norte ou porque exibe as curvas do seu corpo forte, barão.

Sabia que tem gente que não gosta de você porque você deu like num comentário que a pessoa discorda? Sabia que tem gente que acorda, vai te stalkear só pra poder discordar e falar mal de você na hora do almoço? Tem um monte de gente que não gosta da gente. Não gostam porque a gente bebe. Não gostam porque a gente não bebe. Não gostam porque a gente fuma. Não gostam porque a gente faz determinada escolha na urna. Tem gente que não gosta da gente porque a gente acorda feliz. Tem gente que diz que ninguém deve acordar feliz; que dá raiva gente alegre pela manhã. Dá mesmo? Eu acordo neutro. Não acho o paraíso, nem o precipício.

Mas eu confesso: não gosto de gente que não cala a boca. Gente que fala muito sobre tudo toda hora. Não gosto de gente irresponsável, que faz pouco caso e de gente insensível, que só mergulha no raso. A gente é essa gente que não gosta de um monte de gente por causa de nada. Coisa de gente imbecil. Eu e você.

A gente não gosta disso, daquilo e nem sabe o porquê. Fica parecendo que só com uma dose de ódio é que nós conseguimos viver.

Coisa de gente idiota: eu e você.
**

SOU LOUCO POR MULHER

POR FÁBIO CHAP

beleza2bnatural2bda2bmulher-2

Sou louco por boca de mulher, mas sou mais louco ainda pelo que ela fala e como fala. Assuntos em comum – ou incomuns – me fascinam tanto quanto beijos roubados.

Sou louco por coxas de mulher, mas me arrepio mesmo é de saber onde coxas e pés obstinados podem levá-la. Espero que longe. Adoro ritmo forte e sonhos aparentemente inalcançáveis.

Adoro peitos de mulher, mas adoro mais ainda mulher de peito. Que assume a vida e suas consequências; que ama porque tem coragem pra viver amando. Que diz não ao ódio porque raiva nos murcha. Nos esvazia o peito.

E bunda? Como não amar uma bela bunda? Mas amor maior surge ao saber da paciência de uma mulher pra sentar, ouvir e ponderar. Pra – sem precipitações – falar e debater. Negociar, me contrariar, ousar e agir. Se mostrar segura e madura. Forte e sem frescura.

Se perguntarem minha preferência pra mulher, eu vou dizer: mulher de bom gosto e de gosto bom. Aquela que sabe o tom pra tocar a própria vida e me convida pra chegar junto; preferencialmente sem tumulto pra aproveitar o mundo ao lado dela.

Uma bela forma, atrai. Um grande conteúdo, hipnotiza. A humildade, a sabedoria e o amor conquistam. Às vezes, pra sempre.

**