Todos os posts de Ailton Rodrigues

Técnico em Informática (IFRN) que adora esportes e jornalismo. Sempre disponível para bons papos, além de ser Coordenador de Comunicação do clube de futebol TEC (Tabua Esporte Clube). Agora aluno de Licenciatura em Pedagogia (UFRN)

ENTENDA O CAOS DA SOMÁLIA, MARCADO PELO PIOR ATENTADO DO ANO

ATUALIZADO EM 21/10 – O número de mortos chegou a 358, o que faz do atentado o mais mortal do mundo desde janeiro de 2015, quando o Boko Haram massacrou até 2 mil pessoas em Baga, na Nigéria.

POR FELIPE VAN DEURSEN
DA SUPERINTERESSANTE

somalia
Foto: Feisal Omar/Reuters

Um caminhão com centenas de quilos de bombas explodiu perto do Ministério das Relações Exteriores da Somália. Duas horas depois, outra explosão ocorreu na região da Universidade Nacional Somali. Duas áreas movimentadas, em uma cidade de 1,5 milhão de habitantes. Isso foi no sábado 14 e, enquanto as buscas nos escombros continuam, o número de mortos já passa de 300. Pode subir ainda mais, por causa dos corpos incinerados na onda de calor ou severamente mutilados pelas explosões. Mogadíscio foi alvo mais uma vez do terror.

Talvez isso tenha passado batido. Mas foi o pior atentado do mundo desde julho de 2016, quando uma série de bombas em um mercado de Bagdá matou mais de 320 pessoas (não, o pior dos últimos tempos não foi o de Paris).

O ataque foi atribuído ao grupo radical islâmico Al Shabab, parceiro da Al Qaeda no Chifre da África. Nos últimos anos, conforme perdia territórios e poder, a milícia intensificava os ataques, seguindo um padrão de comportamento comum a terroristas acuados, tiranos à beira da derrota, cães raivosos e goleiros desesperados que correm para o outro lado do campo em busca de um gol salvador.

Quanto mais território a Al Shabab perdia, mas terror tocava. Em 2013, membros do grupo abriram fogo e mataram 67 pessoas em um shopping de Nairóbi, Quênia – país fronteiriço para onde a Al Shabab se direcionou com as derrotas em território somali. Em 2015, pior ainda: os terroristas mataram 148 pessoas na Universidade de Garissa, também no Quênia.

Apesar de os ataques de 2015 terem sido direcionados a cristãos e de que a Al Shabab já exterminou cristãos em outras ocasiões e em outros países, o mais recente atentado não mirou a religião – afinal, aconteceu na própria capital desse país 99,8% muçulmano.

CONTEXTO HISTÓRICO

Para tentar entender o caos que assola o país há décadas, voltar à Guerra Fria ajuda. Os somalis, como quase toda a África, constituíam um país jovem. Após 90 anos divididos entre italianos e ingleses, eles se unificaram em 1960. A bandeira com a estrela de cinco pontas representa os cinco grupos que constituíam a Somália histórica. Os da colônia italiana, ao sul, e os da colônia inglesa, ao norte, estavam juntos. Mas ainda faltavam aqueles nos vizinhos Djibuti, Etiópia e Quênia.

Em 1974, a Somália, país maior que Bahia, Sergipe e Alagoas juntos, cheio de montanhas no norte e planícies no sul, sentia os acontecimentos conturbados que mudariam o destino da Etiópia. Uma ditadura militar comunista tomou o poder no país, destronando o rei-divindade-rastafári Hailé Selassié. Três anos depois, em um golpe dentro do golpe, Mengistu Haile tornou-se o ditador, adotando uma postura violenta, que massacrava até mesmo os próprios comunistas do país.

Enquanto Mengistu Haile estava ocupado caçando outros comunistas e matando o povo de fome, o ditador da Somália, general Siad Barre, tinha seus próprios planos. Naquele mesmo 1977, ele invadiu o Deserto de Ogaden, a área etíope habitada por somalis.

Pausa para um contexto global. Anos 70, Guerra Fria rolando, aquele conflito tenso em que americanos e soviéticos dividiram o mundo entre si, mas não entraram em guerra oficial e diretamente (apesar de terem participado, quando não causado, de uma série de conflitos no planeta, o que faz a gente se perguntar o quão “fria” a guerra foi…). Mengistu, como é de se imaginar, era apadrinhado da União Soviética. O problema é que Barre também era, então Moscou não queria saber de uma guerra entre aliados.

A URSS tentou demover o general somali da ideia. Não deu certo, Moscou deixou Barre à própria sorte, o general debandou para o lado americano do War da Guerra Fria e acabou, mesmo assim, invadindo o deserto. Os etíopes, com a ajuda de cubanos (já que uma mão a mais nunca é demais) expulsaram os invasores, em 1978. Quase 1 milhão de somalis de Ogaden se refugiaram na Somália.

Mesmo derrotado, Barre se manteve no poder até 1991, ano em que também caíram a ditadura de Mengistu Haile e a URSS. A Somália virou um país inviável, com clãs digladiando pelo poder. Tropas da ONU e dos EUA intervieram. Em 1993, dois helicópteros americanos foram derrubados, para a humilhação de Washington (a história rendeu o filme Falcão Negro em Perigo, de Ridley Scott).

O desgoverno na Somália seguiu firme nos anos seguintes. Em 2006, uma nova força na guerra surgiu, a União das Cortes Islâmicas (UIC), um grupo de milícias que queria instaurar um Estado islâmico no país. Uma ação militar da Etiópia, agora com apoio dos EUA, enfrentou a UIC, junto com o governo pró-Ocidente. Em 2007, o número de refugiados no país chegou a 1 milhão.

A bagunça generalizada também propiciou o surgimento de piratas no Golfo de Áden. Em 2009, foram 214 ataques, e um deles ficou famoso, graças a Tom Hanks, no filme Capitão Philips. Naquele ano, as tropas etíopes se retiraram, e o vácuo foi aproveitado pela Al Shabab, que conquistou várias porções do país. Em 2011, uma missão de paz da União Africana, a Amisom, retomou a ofensiva militar, com apoio americano. Ao mesmo tempo, uma grave seca, aliada à violência, deixou 260 mil mortos.

Até o ano passado, os redutos do grupo terrorista se reduziram drasticamente. Em fevereiro de 2017, Mohamed Farmaajo tornou-se presidente da Somália, com um discurso de “início de uma era de união”. Mas os ataques de sábado ainda questionam a viabilidade do país. Lá se vão 26 anos, o que deixa a Somália um lugar difícil de ser superado em termos de caos.

DESGRAÇAS

Não precisava ser assim. Diferentemente de muitas outras nações africanas, trata-se de um país com basicamente um povo (98,3% somali), apenas dois idioma majoritários (somali e árabe), uma religião (Islã) e diversos elementos culturais em comum, em um território vasto, dono do maior litoral da África continental, com mais de 3 mil quilômetros, às margens de uma região globalmente estratégica, entre o Golfo de Áden e o Oceano Índico. Além disso, o país tem, possivelmente, grandes reservas de petróleo.

E aí chegamos a outra questão problemática. Como (quase) sempre.

Para especialistas em geopolítica árabe como o diplomata etíope Mohamed Hassan, o interesse dos EUA em enfrentar os clãs trazia, embutida, a intenção de manter o país fragmentado. Eles temeriam que, caso a Somália se torne um país um pouco mais organizado e que consiga explorar suas próprias fontes de petróleo e exportá-las, ela seguiria o exemplo do Sudão: o petróleo que os americanos descobriram no país há 30 anos hoje não é vendido aos EUA, mas à China.

Então, não seria do interesse de Washington um Estado forte no bico do Índico, muito mais perto da Índia e da China do que do Texas, com potencial de alimentar um polo econômico no Índico africano (o que era um sonho de Nelson Mandela). Além do mais, autoridades somalis já estão negociando a exploração petrolífera no país com os chineses. A Guerra Fria acabou, mas o país segue em um jogo insalubre e insustentável entre as grandes potências.

Existe também a possibilidade da fragmentação. A Somalilândia, região semidesértica na costa do Golfo de Áden, mais tranquila do que o resto, luta pelo reconhecimento de sua independência desde 1991. Enquanto isso, a tragédia segue seu ritmo, com pouco interesse despertado do mundo. O caos é tão grande que nem há estimativas consistentes de baixas. Os números giram de 500 mil a mais de 1 milhão de mortos desde 1991.

***

Fonte Original: https://super.abril.com.br/blog/contaoutra/entenda-o-caos-da-somalia-marcada-pelo-pior-atentado-do-ano/

Anúncios

LEMBRA DAQUELA NOSSA FOTO?

POR RAFAEL OLIVEIRA

CASAL FOTO RASGADA

Lembra daquela nossa foto? Sim, aquela que nós tocávamos um ao outro com os lábios. Lembra a história dela? O que fiz pra chegar até você naquele dia?

Não estou falando dos 300 km de distância que tive que percorrer em um ônibus velho, nem dos pneus que furaram duas vezes na estrada, muito menos do dinheiro emprestado que  peguei pra pagar a viajem. Estou falando do close certo, da vida cômoda que deixei pra ter o nosso último beijo registrado.

Mas não se preocupe com essa foto, seu atual não verá, eu à queimei. E as cinzas eu coloquei em cada canto da casa, só pra lembrar que nosso amor virou pó e que com o passar do tempo nem pó existirá.

Não penses que tenho algum rancor pela sua atitude. Pelo contrário, faria tudo novamente do mesmo jeito sem tirar nem acrescentar nada. Pois vivo de amor, onde uns são ingratos outros desprezíveis, alguns iludem e são iludidos. E o seu foi só mais um, intenso e eterno que o vento levou as cinzas. Mas ainda estão queimando em meus pensamentos.

**

COMPLEXO EÓLICO DE SÃO MIGUEL DO GOSTOSO É INAUGURADO

Evento contou com presença de autoridades e entidades que formam grupos sociais gostosenses. Parque gerará mais de 500 GWh de energia por ano.

POR AILTON RODRIGUES
NATAL/RN

Parque Eólico SMG
Complexo Eólico de SMG está funcionando a todo vapor, ou melhor, a todo vento.

Em evento reservado, nesta última quinta-feira (19) as empresas Copel – Companhia Paranaense de Energia – e Voltalia, grupo internacional produtor de energia a partir de fontes renováveis, inauguraram no parque próximo a comunidade do Reduto, distrito a cerca de 10 quilômetros da sede gostosense, o primeiro Complexo Eólico de São Miguel do Gostoso.

A cerimônia também contou com a presença de grupos sociais da cidade como o Espaço Tear/CDHEC, além de autoridades dos municípios de São Miguel do Gostoso, Touros e Caiçara do Norte. Na ocasião a prefeitura de Gostoso foi representada pelo Secretário de Administração, Hugo Patrício.

Durante o evento foi demonstrada a conexão dos 4 parques eólicos (Santo Cristo, Carnaúba, Reduto e São João) que formam o complexo com o Sistema Interligado Nacional (SIN). São 36 aerogeradores de 3 MW cada, o que gera 108 MW de capacidade já em operação.

De acordo com as informações do gerente do Parque de Gostoso, Humberto Ramos, se todos os aerogeradores estivessem funcionando naquele instante em que a solenidade estava acontecendo, com certeza eles estariam produzindo cerca de 105 MW de energia, isso porque o município se encontra entre os meses mais ventosos (de agosto a novembro).

IMG-20171019-WA0036.jpg
Presidente da Copel, Antônio Guetter, ficou entusiasmado com a finalização do projeto.

“Para a Copel, é motivo de grande orgulho fazer parte deste projeto. Este complexo representa mais um passo decisivo para consolidar a geração de energia com fontes renováveis de forma eficiente. A Copel está alinhada à demanda de toda a população por fontes mais sustentáveis e baratas. Por isso, participamos de projetos como do Complexo de São Miguel do Gostoso, no Rio Grande do Norte, onde os ventos sopram com mais abundância, para diversificar a matriz energética e garantir retorno para os paranaenses”, disse o presidente da Copel, Antonio Guetter.

WhatsApp Image 2017-10-19 at 22.58.23
Robert Klein presidente da Voltalia (esq.) e Ricardo André representante do Espaço TEAR/CDHEC (dir.)

O diretor-geral da Voltalia, Robert Klein, destacou as ações que a empresa está dando a São Miguel do Gostoso como a construção do posto de saúde da comunidade da Tabua, a doação do equipamento de ultrassonografia ao município e os investimentos em alguns eventos culturais como a Mostra de Cinema de Gostoso, projeto esse considerado ‘utópico’ sem apoiadores como a Voltalia.

“A inauguração do Complexo Eólico de São Miguel do Gostoso/RN representa um grande estímulo aos nossos negócios e contribui não somente com geração de energia limpa, mas também com o abastecimento de uma região que vive constante deficit de geração de energia elétrica. Atingir a marca de 429,30 MW em operação no país reforça ainda mais a nossa ambição em ser um grupo com atuação significativa no pais na produção de energia apartir de fontes renováveis e que enxerga no Nordeste do país, em especial o estado do Rio Grande do Norte, uma região com um potencial enorme de desenvolvimento”, declarou Robert Klein.

O início das operações que envolviam a eólica em Gostoso começaram em 2011, com o leilão de concessão e a conclusão da construção dos parques foi em 2015 onde já estava apto a operar, porém só conseguiu começar a funcionar em junho deste ano, isso porque a Chesf, subsidiária da Eletrobras, responsável pelas obras de transmissão da energia, atrasou a entrega dos linhões. E quando o fez, ainda entregou um equipamento que não permitirá a expansão da geração eólica da região em toda sua potencialidade. Apenas o Complexo SMG e outro parque da Copel no local têm capacidade instalada de gerar 408 MW juntos. Os cabos da linha de transmissão só suportam até 600 MW.

Contudo, agora em 2017 as empresas gestoras do complexo estimam que a energia gerada por estes parques cheguem a abastecer 270 mil famílias e diminuam a emissão de mais de 200 toneladas de gás carbônico na natureza.

Nós continuamos de olho!

***

Fontes Consultadas:

http://www.tribunadonorte.com.br/noticia/rn-ganha-novo-parque-ea-lico/395085

http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/economia/2017/10/19/internas_economia,634738/complexo-eolico-e-inaugurado-dois-anos-depois-de-pronto.shtml

 

ERA SÓ MAIS UM CHOPE

POR RAFAEL OLIVEIRA

ensaio-prc3a9-casamento-prc3a9-casamento-ensaio-de-casal-ensaio-de-casal-no-bar-bar-ensaio-sp-servic3a7os-fotgraficos-fotografia-guarulhos-taf-tamires-arac3bajo-fotografia-2

Era mais um chope como outro qualquer, uma sexta feira como outra qualquer, só mais uma noite como outra qualquer. Já estava entediado com os bêbados da mesa ao lado falando sobre seus respectivos times de futebol. Infelizmente essas situações me incomodavam, enquanto o governo aprovava projetos que tiraram a mínima dignidade que nós pobres tínhamos, esses asnos discutiam futebol.

Parecia que nada salvaria aquela noite tediosa, pedi a conta e duas garrafas de vinho pra levar pra casa, a companhia dos meus livros e a coletânea de Cartola salvaria. Foi daí que senti um chute em meu calcanhar e ao olhar pra quem me chutava vi uma moça no chão junto das garrafas de cerveja da mesa ao lado, aquelas pernas longas cruzadas acabará de tropeçar em meus pés e a culpa com certeza era minha, nunca seria daquele monumento.

Estendi a mão pedindo desculpas e esperei um belo tapa na cara por tamanho constrangimento, mas a delicadeza e humildade estava enraizada naquela mulher e com os olhos de tigresa ela me perdoou com um simples piscar. Então à levantei do chão e tentei prestar toda assistência devida, mas quem passava constrangimento era eu em fixar meus olhos naquele decote de sua blusa e nos babados que terminava em seu umbigo, foi daí que ela me perguntou se eu iria ficar olhando ou se iria buscar uma toalha pra ela se enxugar. Minhas pernas não obedeciam, estavam fincadas da mesma forma que a voz dela em minha mente. O garçom trouxe a toalha e eu me ofereci a passar em suas costas, onde ela não conseguia com seus braços.

Depois de todo esse acidente, passamos um bom tempo conversando e a cada dez minutos eu pedia desculpas só pra ouvir e ver aquela boca falar que não precisava pedir desculpa.

Já era madrugada e notava que sua blusa não secava de forma alguma, então sugeri que fôssemos para minha residência e lá daria uma camiseta minha, pois estava fazendo frio e a blusa molhada iria resfriar seu corpo, ela educadamente aceitou a proposta. Levei minhas taças de vinho e andamos um quilômetro até chegar, ela escolheu a camiseta que eu mais gostava pra usar e isso me deixou mais apaixonado, foi tipo: Amor a primeira camisa.

Conversamos bastante, lembro que seu cachorro se chamava Marvel, que seu poeta favorito era Sérgio Vaz (aí já tava apaixonado mesmo não fazia mais diferença) e seu gosto musical era do samba ao rock. Já eram três horas da madrugada quando seus bocejos começaram a ser frequentes e os meus olhos também já ardiam de sono quando de repente solto a taça que se quebrou totalmente no chão, pedi novamente desculpas, mas ela já estava em prantos de tanto rir da minha cara de susto e sono.

Sua gargalhada era tão gostosa de ouvir que parei em frente à ela e esperei acabar, perguntei se ela ainda tinha fôlego pra respirar, ela não entendeu então tive que explicar através de um beijo com gosto de vinho, cerveja e álcool, que só veio terminar com os dois nús em minha cama e cada um passou ocupar a língua com outros órgãos.

E o que era só mais uma noite qualquer, foi o início de um amor. Onde não existe dúvidas do que um sente pelo outro, mas até hoje debatemos se aquela blusa era de crochê ou tricô.

Fim.

PELA SEGUNDA VEZ, FESTA TRADICIONAL DE GOSTOSO É CANCELADA

Em publicação nas redes sociais, organização do evento diz que “problemas se alastraram” fazendo com que o evento fosse cancelado.

POR AILTON RODRIGUES
NATAL/RN

WhatsApp Image 2017-10-19 at 12.43.10

A tradicional festa de Gostoso foi cancelada pela segunda vez nesta última quinta-feira (19) por meio de comunicado nas redes sociais dos organizadores, de acordo com a nota  diversos problemas “se alastraram” e por isso a organização preferiu cancelar.

Veja a íntegra da nota:

Esclarecimento

Alguns problemas se alastraram e o evento terá que ser cancelado. Os motivos foram vários: liberações legais, ambientais, sonoros, ministério público, mudança de local, comprometimento a infraestrutura, entre outros… Casos que fomos pegos de surpresa, e diante disso, achamos viável, seguro e responsável o cancelamento.

Só poderíamos fazer o evento legalmente até às 2h da manhã no que não seria viável. Ficou difícil prosseguir.

Esperamos que compreendam a situação.

Ficamos tristes e insatisfeitos com a situação, mas vemos que essa é uma solução real para o momento.

Atenciosamente.

Será a primeira vez na história que não haverá o evento na cidade, que já havia sido desmarcado no mês passado. Na ocasião a festa seria gratuita e organizada pela prefeitura, porém por causa do decreto de emergência do governo do estado, a comissão organizadora decidiu cancelar.

Nós continuamos de olho.

BRASILEIRÃO DE KARATÊ: POTIGUARES SAEM DE SALVADOR REVIGORADOS, MAS COM SINAL AMARELO LIGADO

Campanha de penúltimo lugar no quadro de medalhas é prova de que falta ajustes, mas apesar disso, gostosenses vibram com a experiência adquirida.

POR AILTON RODRIGUES E RICARDO ANDRÉ
LAURO DE FREITAS, SALVADOR/BA

Delegação do RN em Salvador

O karatê brasileiro saiu da terra de todos os santos com um sentimento de fortalecimento e dever cumprido após a etapa final do Campeonato Brasileiro que aconteceu dos dias 11 a 15 de outubro em Lauro de Freitas, cidade que fica localizada à 15 quilômetros da capital baiana.

Foram aproximadamente 2.100 atletas inscritos das 26 federações do país disputando medalhas nas modalidades de kata e Kumite em suas diversas categorias percorrendo praticamente todas as idades e pesos. Foi uma verdadeira consagração do esporte e ainda contou com o requinte de uma transmissão ao vivo pelo canal por assinatura SporTV.

Grande estrutura montada em Lauro de Freitas – BA

Apesar de tudo isso, nós acompanhamos de perto a atuação dos 28 atletas potiguares, dentre eles 8 gostosenses buscavam bons resultados para que melhorassem no ranking nacional e pudessem almejar sonhos maiores como a vaga na Seleção Brasileira.

Entretanto, a Federação Norte Riograndense de Karatê (FNK) saiu da competição com o sinal amarelo ligado, afinal o estado do RN amargou a penúltima posição do quadro de medalhas com apenas 8 medalhas conquistadas (2 pratas e 6 bronzes). Ficou apenas na frente do estado do Maranhão cuja delegação de 4 atletas sequer medalhou. Em resumo, não teve uma atuação boa.

Milhares de atletas foram buscar o sonho em Lauro de Freitas

POS.

FEDERAÇÃO OUROS PRATAS BRONZE

TOTAL

SÃO PAULO 70 60 105 235
SANTA CATARINA 41 28 49 118
BAHIA 28 28 40 96
25º RIO G. DO NORTE 0 2 6 8
26º MARANHÃO 0 0 0 0

Fonte de dados: CBK.

Contudo, apesar da crueldade que possam parecer os números, os atletas da Associação Gostosense de Karatê Shotokan (AGOKS) vieram para casa com uma boa impressão do seu desempenho. Alguns deles estavam estreando nas categorias principais do esporte e outros ficaram entre os cinco melhores do Brasil, o que demonstra um excelente resultado.

APRENDER E TREINAR

Delegação da AGOKS em Lauro de Freitas.

Os principais nomes da AGOKS que competiram em Salvador também analisaram a suas atuações no Brasileirão.

Abison Mateus ficou em 4º lugar no Kumite em equipes:

“Esse Brasileiro foi bom. Não foi o resultado que eu esperava, pois queria medalhar, mas não deu. Fiquei em 4º lugar no kumite em equipe, mas não tenho o que reclamar. Penso que a colocação foi boa e meu desempenho melhorou bastante, serviu para adquirir experiência e evoluir mais”.

Larissa Rodrigues ficou em 5º lugar no Kumite por equipes:

“O Brasileiro foi de um nível altíssimo, onde todos os atletas do Brasil queriam estar. Foi uma experiência incrível, sei que agora tenho que treinar dobrado seu quiser conquistar algo a nível nacional”.

Wanderson Silva ficou em 4º lugar no Kumite por equipes e nas duas categorias em que disputou individualmente:

“Foi uma competição boa para testar nosso nível, apesar de não ganhar medalhas eu disputei elas em todas as categorias que participei. Porém, uma coisa que me atrapalhou foi o fato de ter machucado o joelho. Ficar entre os cinco primeiros não é ruim, fiz o que realmente estava ao meu alcance, agora é ajustar tudo e ir para o estadual”.

Cristiano Nunes, sensei da AGOKS:

“Levamos muitos atletas, mas como um todo o desempenho foi baixo. Os favoritos da AGOKS tiveram o azar de ser justamente as categorias mais fortes que tinha no karatê, então foi uma competição muito boa, eles estão entre os melhores do Brasil e todos competiram por merecimento. Batemos na trave quatro vezes na disputa por medalhas, mas perdemos por detalhes que serão corrigidos”.

MEDALHAS POTIGUARES

Lucas Oliveira foi o primeiro a medalhar em Lauro de Freitas – BA

Os sete atletas que conquistaram as medalhas potiguares foram dos municípios de Natal, Tangará e Parnamirim. Dentre eles destacamos Lucas Oliveira que deu uma volta por cima no ano, como você acompanhou aqui no Contador, e Jeferson Silva que apesar de toda juventude conquistou duas medalhas, uma em cada modalidade do karatê.

Podemos ressaltar também a atuação do presidente da FNK, senhor Evilásio Jocas, que conquistou a medalha de prata na categoria Master até os 55 anos, mostrando uma vitalidade invejável.

Veja os outros nomes que trouxeram medalhas:

MEDALHAS

ATLETA

CATEGORIA

Prata

LUCAS OLIVEIRA

Kumite júnior – 16/17 anos – 68 kg

JEFERSON SILVA

Kata sub 12 – 10/11 anos

Bronze

Kumite sub 12 – 10/11 anos – 30 kg

WILLINGTON LIMA

Kumite sub 14 – 12/13 anos – 45 kg

YAN ERICK

Kumite sub 12 – 10/11 anos – 30 kg

YASMIN SILVA

Kumite sub 12 – 10/11 anos – 35 kg

JAÍNE BASTOS

Kumite sub 14 – 12/13 anos – 40 kg

JEAN PINTO

Kumite máster B – 36/39 anos – 75 kg

 Fonte: FNK.

NÃO DÁ PARA DESCANSAR

Os caratecas potiguares não vão ter muito tempo para descansar, afinal ainda neste ano duas grandes competições já estão marcadas no calendário. A primeira delas é a última etapa do estadual que acontece em Martins, no finzinho de outubro, e a segunda prova é o Pré-Olímpico Estadual que acontece em meados de novembro.

O Contador parabeniza a todos os atletas potiguares e gostosenses pelo desempenho.

Até qualquer hora!

POTIGUAR LUCAS OLIVEIRA DÁ VOLTA POR CIMA E CONQUISTA MEDALHA DE PRATA EM SALVADOR

Atleta potiguar depois de sofrer com contusão no início do ano conquista a única medalha potiguar até o momento em Salvador.

POR AILTON RODRIGUES
SÃO MIGUEL DO GOSTOSO/RN

Lucas Oliveira (à esquerda) conquista prata em Salvador

Altas emoções, assim pode ser definido o ano para o atleta potiguar Lucas Oliveira que conquistou a medalha de prata nesta última sexta-feira (13) no Brasileirão de Karatê que acontece em Salvador (BA).

O jovem de 17 anos sofreu no início do ano quando não conseguiu sequer lutar na etapa do Brasileiro em Caruaru (PE), pois havia sido desclassificado após ter deslocado o pulso. Esta contusão o deixou fora dos treinos por um mês.

Quase sem muitas opções, restou a Lucas buscar a vaga para a etapa final do Brasileiro na seletiva de Manaus, aonde Abison Mateus também havia carimbado sua vaga. O resultado lá já havia sido mais do que esperado, além da vaga para as disputas em Salvador ele também havia conseguido vaga para a Seleção Brasileira de Karatê.

Após isso a rotina de treinos só se intensificou. Em dois turnos ele teve o luxo de revezar entre dois técnicos de alto nível e com bastante bagagem em competições nacionais e internacionais: Mano Santana e Rafael Oliveira.

O CAMINHO DA PRATA

Medalha de prata de Lucas Oliveira.

Lucas competiu na categoria júnior 16/17 anos, onde dentre os 20 atletas inscritos, 7 já haviam passado pela Seleção Brasileira. Pelo sorteio dos confrontos na primeira fase, Lucas Oliveira passou direto para a segunda por não ter adversário.

Depois disso o caminho até a decisão foi sendo montado, Nas oitavas de final encarou Hérick Rosa (SC), nas quartas o adversário foi Gabriel Resende (GO), enquanto na semifinal a ‘próxima vítima’ foi João Severo (CE).

Apenas na decisão, Lucas acabou perdendo o confronto e por pouco não faturou o ouro, o adversário dele foi outro catarinense, desta vez Ryan Campos (SC), mas nada que tirasse o brilho dos olhos do potiguar.

Para seu técnico, Rafael Oliveira:

“O sentimento é de dever cumprido! Posso dizer que fechamos o ano com um saldo positivo. Neste meio período em que ele se contundiu e voltou, o garoto virou Seleção e Vice Campeão Brasileiro”, declarou Rafael ao Contador.

Nós parabenizamos Lucas Oliveira e continuamos de olho nas emoções que estão rolando em Salvador!

Até qualquer hora!