⁠⁠⁠APÓS 100 DIAS DE GESTÃO, ADMINISTRAÇÃO E EDUCAÇÃO AINDA SÃO DOR DE CABEÇA EM GOSTOSO

Falta de transparência, ausência de licitações, e agora previsão de demissões em massa são a  realidade do atual governo municipal que completou 100 dias de gestão.

POR RICARDO ANDRÉ
SÃO MIGUEL DO GOSTOSO/RN

A semana politica em Gostoso começou agitada com a declaração da Presidente da Câmara, Clésia Cardoso (PSD), nessa segunda (17), quando confirmou que haverá a demissão de diversos servidores temporários já agora no inicio do mandado, afim de cumprir o limite com gastos de pessoal. O anuncio vem logo após há algumas semanas a própria presidente da Câmara ter afirmado que “confiava que o prefeito e sua equipe sabiam o que estavam fazendo”, quando foi questionada sobre o grande número de contratações.

A noticia veio acompanhada do aborrecimento da base aliada do Prefeito Renato de Doquinha (PSD) com o valor pago aos professores contratados, que foi de R$ 1.000,00 (mil reais) a mesma quantia paga pela gestão anterior. Além disso, permanece a noticia da licitação de serviços de limpeza que segue com um contrato emergencial e a licitação de transportes, considerando que os ônibus já rodam a algumas semanas sem garantia contratual.

Todo esse embrolho culminou com a marca dos 100 dias desde que a atual gestão assumiu o controle da cidade, no decorrer dessas primeiras medidas os setores da administração e educação estão sendo os mais questionados no momento.

NO ESCURO

As contas públicas da prefeitura de São Miguel do Gostoso continuam um mistério. Apesar da pressão dos vereadores através de oficios e requerimentos na câmara, como o do vereador Zé de Luzenário aprovado em 13/03, nada foi feito.

Em resposta ao descaso do Prefeito, os vereadores da oposição  – Micarla Catarina (PSB), Evânio Menezes (PR), Beto de Agostinho (PHS) e Zé de Luzenário (PCdoB) – formalizaram uma denúncia contra o fato nessa quarta (19) no Ministério Público, para poderem ter acesso as despesas e receitas da prefeitura bem como a folha de pagamento que deveria estar acessível ao público.

A situação promete esquentar ainda mais com o requerimento nº 003/2017 de autoria do vereador Beto de Agostinho (PHS) que solicitou os comprovantes de escolaridade de professores e auxiliares de ensino, e até agora não foi atendido, requerimento que por incrível que pareça só teve um voto contra, o da Presidente da Câmara, Clésia Cardoso (PSD).

Apesar de estarmos acompanhando a frenética atualização dos atos da prefeitura por meio das suas redes sociais, fica claro que a grande pedra no sapato da atual gestão nesse primeiro trimestre foi a educação. No entanto, todos os problemas citados ainda não tem previsão para serem sanados.

Sobre a lista de demissões citadas no começo desta reportagem, entramos em contato com os secretários de administração e comunicação para que comprovassem a veracidade da informação, mas nenhum deles declararam nada para nossa equipe.

Nós continuaremos de olho. Até qualquer hora.

Anúncios