ORDENAÇÃO EPISCOPAL DE DOM EDILSON NOBRE ACONTECE DIA 20

Padre natural de Touros/RN será ordenado nessa próxima segunda (20).

Por PASCOM, Arquidiocese de Natal
Natal/RN

A ordenação episcopal de Dom Edilson Soares Nobre acontece na próxima segunda-feira, 20 de março, às 17 horas, na Catedral Metropolitana de Natal. O ordenante principal será o Arcebispo Metropolitano, Dom Jaime Vieira Rocha, e os co-ordenantes serão os arcebispos eméritos, Dom Heitor de Araújo Sales e Dom Matias Patrício de Macêdo. A celebração, que também será em ação de graças pelos 70 anos de vida de Dom Jaime, será transmitida pelos meios de comunicação da Arquidiocese.

Dom Edilson será o sétimo bispo da Diocese de Oeiras (PI). Uma caravana de padres e fiéis leigos daquela diocese piauiese, assim como bispos da região já confirmaram presença na celebração de ordenação. Mais de 20 bispos, de dioceses do Rio Grande do Norte, Paraíba, Pernambuco e Alagoas também confirmaram presença na celebração.

A posse canônica de Dom Edilson acontecerá dia primeiro de abril, às 17 horas, na Catedral de Oeiras.

Dom Edilson Nobre

Natural de Touros (RN), Monsenhor Edilson nasceu em 9 de maio de 1965. Ingressou no Seminário de São Pedro, em Natal, em 1984. Cursou Filosofia no Seminário e na Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). Cursou Teologia no Seminário, concluindo em 1990. Foi ordenado sacerdote em 6 de abril de 1991, na Catedral Metropolitana de Natal, pelo então Arcebispo, Dom Alair Vilar Fernandes de Melo.

Dom Edilson oficial

Nestes 25 anos de sacerdócio, desempenhou várias funções na Arquidiocese de Natal: de 1991 a 1992, vigário paroquial de São Paulo Apóstolo, em São Paulo do Potengi; de 1992 a 1998, pároco da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em Lajes; de 1996 a 1998, administrador da Paróquia de São Paulo Apóstolo, em Pedro Avelino; de 1998 a 2005, pároco da Paróquia de Nossa Senhora da Conceição, em Macau; entre 2000 e 2001, administrador da Paróquia de São João Batista, em Pendências; de 2008 a 2011, administrador da Paróquia da Imaculada Conceição, em Nova Cruz, e, de 2011 a 2012, pároco da mesma paróquia.

Entre 2005 e 2007, cursou bacharelado em Comunicação Social, na Universidade Pontifícia Salesiana, em Roma.

Outras funções também foram desempenhadas por ele, neste período. De 2000 a 2005, foi representante do clero, na Comissão de Presbíteros, no Regional Nordeste 2, da CNBB, e coordenador arquidiocesano da Pastoral Presbiteral. De 2009 a 2011, foi Vigário Episcopal para o Clero, na Arquidiocese de Natal, e de 2008 a 2011, assistente eclesiástico da Pastoral da Comunicação.

Desde 2012, era Vigário Geral e coordenador do Setor de Comunicação, na Arquidiocese de Natal. De 2012 a fevereiro de 2016, também foi colaborador da Paróquia de Nossa Senhora Aparecida, em Neópolis. Em fevereiro de 2016, foi criada a Paróquia de Santana, no bairro de Capim Macio, zona sul da capital, sendo ele o primeiro pároco, função que desempenhou até 11 de janeiro deste ano, quando foi nomeado bispo da Diocese de Oeiras (PI), pelo Papa Francisco.

Como é feita a escolha de um bispo

O processo para a escolha de um bispo é longo e feito de forma sigilosa. “Cada bispo, a cada cinco anos indica o nome de seis padres como potenciais candidatos ao episcopado. Esses nomes são encaminhados para a Nunciatura Apostólica. Quando uma diocese fica vacante, a Nunciatura vê, entre aqueles nomes enviados, alguns que tenham o perfil para aquela diocese”, explica o Vigário Judicial da Arquidiocese, Padre Júlio César. A partir daí, inicia o processo de consulta junto aos bispos do Regional onde a diocese está inserida. Depois de feita a consulta aos bispos, alguns clérigos e leigos também são consultados. “Após as consultas, o Núncio Apostólico faz uma lista tríplice, também chamada de ‘terna’, e envia-a para a Congregação para os Bispos, na Santa Sé. A Congregação apresenta a lista ao Papa, que faz a escolha final e a nomeação”, esclarece Padre Júlio César.

Anúncios