POR QUE É IMPORTANTE CONVERSAR SOBRE SEXO COM SEUS FILHOS

Quanto menos informada sobre sexo for a criança, mais precoce e aleatória será sua iniciação sexual – e, com isso, mais arriscada.

Quanto mais cegonhas, mais bebês

Estatísticas enganam. Se mal-interpretadas, provam até que cegonhas trazem bebês

Para mostrar o quão mal-interpretadas estatísticas podem ser, o físico britânico Robert Matthews se deu o trabalho de comparar, em 17 países europeus, os dados de observação de pares de cegonhas e o número de nascimentos. Depois, estabeleceu o coeficiente de correlação entre os dois. O resultado foi surpreendente. Países europeus com mais cegonhas têm também mais bebês recém-nascidos.

Primeiro vamos entender o que é coeficiente de correlação. Quando duas variáveis não têm nenhuma correlação, o coeficiente é 0. Quando essa correlação é perfeita, o coeficiente é 1. No caso das cegonhas e dos bebês, o coeficiente foi 0,62. É uma correlação impressionante.

Isso quer dizer que cegonhas e nascimento têm alguma relação de causa? É claro que não. Se tivesse, não haveria nascimentos nas Américas, que ficam fora da rota migratória das cegonhas. A pegadinha está em esquecer um mantra sagrado da estatística: correlação não é relação de causa. Por exemplo, as vendas de peru são maiores em meses quentes do que em frios. Mas isso não significa que o aumento de calor leve ao aumento de vendas de peru. São dados correlacionados porque, por acidente, o Natal cai no verão brasileiro. É o mesmo que acontece com as cegonhas – que não têm nada a ver com o que os pais fazem.

Por que ela?

A lenda das cegonhas já fazia parte do folclore nórdico, mas só foi popularizada no século 19 num conto de Hans Christian Andersen, o mesmo autor de O Patinho Feio. Saiba por que foram elas as eleitas para trazer bebês.

– Em cidades nórdicas, elas adaptaram seus ninhos aos telhados e chaminés de casas. Para mandar o infante buraco abaixo, bastou um empurrãozinho da imaginação.

– Elas são grandes, com uma envergadura de até 2 metros. Já uma pomba qualquer não seria capaz de tamanha empreitada.

– São aves migratórias, o que permitiria trazerem os bebês de uma terra distante (algo como um tráfico internacional de bebês).

– Têm comportamento altruísta e cuidam de seus filhotes mesmo depois de eles terem aprendido a voar.

Até qualquer hora!

Fonte utilizada: http://super.abril.com.br/comportamento/3-foi-a-cegonha-que-trouxe-voce/?utm_source=redesabril_jovem&utm_medium=facebook&utm_campaign=redesabril_super

Anúncios